Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

no caminho de Santiago ... ( o meu caminho)

Diário de viagem

 

Uma viagem começa sempre debaixo dos nossos pés …
Pois, está viagem começou um pouco atribulada mas o caminho esta a ser feito. Alias, nunca podemos parar, ou estar parado de uma forma geral é um caminho.
O importante não é o destino, o que conta é a forma como lá chegamos. E este meu caminho de hoje está a ser feito com sono e nevoeiro (…)
Chegada a Santarém …
Ainda está nevoeiro!!! Será isto um estado geral ?
(…) Agora quando abri os olhos já não havia nevoeiro, todo parece mais claro (todavia perdeu-se a esperança de re-encontar Dom Sebastião).
Importante relembrar, não é a chagada que conta mas sim o caminho feito.
Começo a sentir-me em viagem! Não sei se falta muito para chegar ao Porto … somente sinto-me tranquila (…) também não sei que horas são, porém quando se faz uma viagem espiritual não tem importância o tempo. (…)
O Porto está debaixo dos meus pés =)
(mensagem enviada)
(…) Quando nada é planeado tudo o que se apresenta a nossa frente torna-se único. Ate uma corrida inesperada de carro pelas ruas da invicta!!! CARAGO
Ufaaa estamos no comboio para Vigo !!!
Gosto desta aventura, de estar aqui … de não saber … talvez porque também não saiba muito da minha vida – sinto-me menos estranha!!!
(…)
Com Santiago de Compostela ali ao virar da esquina …
É bom quando sentimos que temos o poder para realizar sonhos.
Isto é, não precisamos de ninguém para chegar a um objectivo. Todavia ( e porque na minha vida existe sempre um “todavia”) torna-se uma viagem de mim para mim - Como deve ser o caminho de Santiago!
Gosto de ver as pessoas que estão no comboio, as pessoas que me olham que tentam decifrar o “meu eu”… (pelo menos é isso que eu faço quando olho para elas – quem são elas?)
(…) Hoje sinto-me em peregrinação.
Santiago já é um destino em mim … já me corre nas veias, nada nem ninguém nos poderá separar (…) nem o tempo, nem novas lembranças, tudo aqui nesta noite me pertence.
 
 
Cheguei a Santiago de Compostela

8 comentários

Comentar post