Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

falsos dizeres ...

Dizem por ai rua a cima rua a baixo, que não se pode morrer de amores…


Pois, ora então, oh  gentes de dizeres na ponta da língua, venham aqui a minha beira,para que entre uma e outra palavra, perceberem finalmente, que a Inês aquela das outras épocas morreu de amor sim, e que neste tempo inconstante de modas, caprichos e vontade sociais, estou eu morta (e muito bem morta) culpa de um amor que vive lá para os lados do além muito tejo. Como tal aconteceu, querem saber oh gentes? Sei lá, um dia acordei e já estava toda a minha pessoa cheia de amor.


O que não se diz, nem se publica sobre este tema, o que se esconde (não sei bem porque) é do enorme prazer que é morrer de amor, estar morta de amor e querer continuar neste estado sem registos, conhecidos por alguns mas somente, vivenciados por poucos.