Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

encontrar Deus !!!

 

Como sabes, eu tenho estas questões metafisicas que as vezes deixam a meta e a física e tornam-se somente uma “forma de estar” …

Questiono, o tempo e as pedras da calçada e não gosto de rodeios.

Apesar do ar de miúda, escondo já alguns cabelos brancos e uma maturidade que me ajuda a suportar as tempestades que chegam fora de época.

Compreendi, ou me fizeram compreender que Deus (essa nada estranha forma de energia) está em todo o lado!

Não esta um pouco mais aqui do que acolá e muito menos faz moradia em algum local especifico. Se tivéssemos que encontrar um código postal para Deus, seria o mesmo do nosso coração.

Contudo, quantas vezes já eu escrevi que o encontrei em local X ou em local Y? Quantas vezes ouvimos falar de lugares sagrados?

Tal levou-me a pensar: Porque razão sentimos paz, sentimos o encontro com o divino em determinados sítios?

Porque o deserto? Ou porque uma igreja medieval numa aldeia no sul da Irlanda? Ou porque uma praia paradisíaca ?

Porque na asia? Porque no Bali ou da India? Porque no convento da Arrábida?

Que me importa a mim sentir Deus nesses lugares, se eu agora estou aqui?

Se a maior parte do tempo, estou aqui? E todos os outros lugares são somente locais de passagem, que estão acolá?

Não estará, Deus dentro de nós, não seremos nós transportadores dessa energia esplendida sem tantas vezes não nos darmos conta?

Será necessário dar a volta ao mundo, subir as serras, escalar montanhas, descer ao fundo dos mares e galgar rios para encontra-lo?

Penso, mas isto são somente coisas que eu penso, que é nessas voltas malucas ao mundo, nestas subidas e descidas que encontramos tempo para sentir…

Sentir a agua, o frio, o calor, o sabor de uma nova comida, de uma nova visão, de um novo cheiro, de um novo toque, de uma nova língua, de um novo hábito…

Sentir como a criação da vida é algo maravilhosa e então dá-se o milagre:

‎"Falo a toda a gente. A toda a hora. A questão não é saber a quem eu falo mas sim quem é que me ouve."

O engraçado nestas e noutras historias, é que eu já vejo o inicio ali a dois passos atras e isso dá-me um gozo tremendo!!!