Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

O que é isso de gostar de alguém?

O que é isso que gostar de alguém?

Digam-me? Mas digam-me de verdade e com alguma base científica o que é necessário para alguém acreditar em nós quando dizemos “gosto de ti”?

Será que a vida moderna nos tornou tão hipócritas, tão insensíveis que ouvir um “gosto de ti” tornou-se algo fora de moda?

Desde de sempre que pensei que a vida seria demasiado simples…

Lembro-me de ser miúda (isso a menos de cinco anos atrás), e pensar que quando tivesse a idade que tenho hoje tudo seria muito mais evidente, acessível, fácil … tudo estaria dentro de uma ordem simples de sinceridade de sentimentos (tal e qual como nos filmes comerciais dos anos 80)

Contudo, a vida deste lado de cá do pc, de onde vós escrevo é basicamente semelhante a um filme indiano carregado de situações hilariantes, com a diferença que sou eu própria que escolho a banda sonora adequada a cada situação melodramática que me surpreende a cada instante.

Quando na minha vida as conjunturas se tornam menos claras, deito-me ao sol ou na maioria dos casos conduzo pelo ic33 ou nacional 379 onde começo a visualizar o filme da minha vida. (novo logótipo: se conduzir não veja filmes na sua cabeça) A questão é: se eu tivesse a ver esse filme no cinema, o que eu diria da minha própria personagem?

Esperem, vou buscar mais um balde de pipocas para a segunda parte …

 

 


...


 

   

 

"Viajar serve sempre para encontrar o que não se procura" Cadilhe, Gonçalo.

Sempre encontrei aquilo que procurava, tudo o resto foi o bónus por ter seguido os meus sonhos...

Existe, todavia, um bónus que guardo no lugar onde só guardo coisas boas,

Estaria tão mais pobre esse lugar, mais vazio, mais distante, mais árido sem esse presente que colocaram na minha viagem.

coisas que aprendi a gostar (1)

"Considero-me o resultado de encontros marcados.

Acredito no destino, mas só depois de ele ter acontecido.

Não sou fatalista, sou integralista: tento integrar cada um 

desses encontros dentro de um significado mais amplo e

fecundo. Por vezes foi fulgurante; outras vezes teriam 

de passar alguns anos para eu o compreender. E outras

vezes ainda só uma rebuscada análise literária permitiria

extrair significados e concluir que desses encontros tinha

nascido um novo ser: eu depois de mim." Gonçalo Cadilhe

...

Hoje li que as vezes crescemos tanto que batemos com a cabeça na tecto …

Pois, se calhar é mesmo melhor ficarmos pequenos …

Longe dos tectos !!! Ou então bater com tanta força de uma vez só

Para então podermos contemplar o céu …

Hoje dói-me a cabeça, tenho um galo enorme ...

(e ainda me falta tanto tecto para partir)

pensamento de hoje ...

Não existe dia nem noite... (como separação de tempo)

Nem manha, nem tarde… (nem tão pouco subdivisões de tempos previamente concebidos)

Existe somente um dia em toda a nossa vida ...

Aquele em que nascemos ...

Todos os outros são continuação desse momento fantástico!!!

Por isso, o teu dia tem sempre muitas estórias  ...

muito (muito, muito) velha ...

Ouvi dizer que no outro lado do mundo existe uma velha muito velha,

Que se ri de um português quando este lhe pede o telefone emprestado…

Ri a velha muito muito velha, porque reconhece que o português esta apaixonado …

E olha de esguelha a velha muito muito muito porque sabe que deste lado do mundo está uma miúda se dissolvente em moléculas quando ouve um:

“(...)estou, estas a ouvir-me... gosto de ti”