Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

poemas de gente grande

Segundo o Mauro existem diferentes tipos de poesias:

Umas que não rimam (logo não podem sequer ser consideradas poesias ou algo semelhante); outras que riram, mas que não tem nem pés nem cabeça.  E ainda existem aquelas que só as pessoas grandes percebem... Expliquei-lhe que essas são assentes em metáforas ao que ele respondeu:

" Outra palavra de gente grande"…

 

O Mauro tem onze anos e sempre que estou com ele aprendo algo novo …

Gosta de futebol, de futebol e de futebol … E de tanto amor pouca energia resta para outras coisas!!!  Ai, mas a poesia … A poesia esta a entra na alma deste menino que ainda tem medo do escuro mas que hoje em segredo contou-me que gostava de ser Poeta!!!

 

“O Captain! my Captain! rise up and hear the bells”

em mim (traçado na minha pele) ...

 

Om não é uma palavra, mas sim uma entonação, que, como música, transcende as barreiras de idade, raça, cultura e até mesmo espécie. Ele é feito de três letras sânscritas, aa, au e ma, que quando combinadas fazem o som Aum ou Om. Acredita-se que ele seja o som básico do mundo e que contenha todos os outros sons. Ele sozinho é um mantra ou oração. Se repetido com a entonação correta, ele pode ressoar pelo corpo de forma que o som penetre no centro do ser, a atman ou alma.

"Há harmonia, paz e glória nesse som simples, mas profundamente filosófico.
Vibrando a sílaba sagrada Om, a combinação suprema de letras, se alguém pensar na Personalidade Última da Divindade e deixar seu corpo, ele com certeza alcançará o estado último de eternidade", diz o Bhagavad Gita.

Só por hoje ...

Só por hoje, não me irrito/aborreço.

Só por hoje, não me preocupo.

Só por hoje, sou grata.

Só por hoje, trabalho arduamente/honestamente.
 
Só por hoje, sou bondosa para com todos os seres vivos.

(Gostei desta ideia de abraçar uma arvore ... Obrigado !!!)

Lisboa que cura as almas ...

No fim de semana passado recebi um amigo que conheci numa viagem, ai como é bom retribuir a hospitalidade sincera de alguém que nos acolheu sem nos conhecer, simplesmente confiando na nossa imagem (fotos) e na nossa escrita …

De tanto sol e de tantas lembranças do Agosto - já tão distante, Lisboa nestes dias esteve diferente, mais menina do que é habitual, mais moça e airosa do que é costume, sempre varina como manda a tradição!!! Que cidade magnífica esta a nossa, da Estrela ao Chiado, o eléctrico (o meu querido 28) fez as delícias de alguém que fazia aquele caminho pela primeira vez, foi-me impossível não fazer de conta que também por ali andava uma primeira vez. De  cabeça de fora da janela, olhos semi-cerados fui turista por um dia, de corpo e alma por ruas já por mim conhecidas, praças já tantas vezes exploradas e por becos uns da Saudades outros do Norte.

 Lisboa, esta Lisboa cantada ao expoente por fadistas e outros que tais, cura as alma da inércia, da solidão e da tristeza !!!

 A Lisboa do Paulo e do gato, do Tejo e do São Jorge, do Pessoa e da Liberdade, esta Lisboa que me encanta, a Lisboa do meu coração.

 

 

 

carta registada a um amigo ...

Meu muito querido Amigo F. !!!

 

Mas que sorte a minha o ter encontrado numa das ruas da minha caminhada …

Alias, se pensar um pouco, não foi sorte alguma, mas sim algo previsto desde  ha muito… pois, já lá vão alguns anos que caminho nesta mesma rua. Tudo começou a sensivelmente uns dez anos, nessa altura conheci uma pessoa (com a qual tinha umas contas a serem acertadas, contas actualmente mais do que acertadas com todos os impostos pagos – dividas de outras vidas) pessoa essa completamente desligada de qualquer tipo de espiritualidade, que mais tarde me apresentou M. que me levou ate si. Quando se junta as peças deste fantástico puzzle que é a vida humana só podemos rir e viver, certo? Pois, chegamos a uma determinada paragem em que tudo faz sentido … e neste momento, na minha vida, meu querido amigo, eu encontro esse sentido!!! 

 

Existem ligações entre pessoas que só podem ser “coisas” de outros “mundos” …

 

É inexplicável o sentimento que se tem quando encontramos uma dessas pessoas, que como o F. diz andaram de estrela em estrela a passear connosco, basta um segundo de olhar e zás pás esta tudo lá!!! Sem palavras, sem discursos previamente preparados ou oração repetidas ate ao infinito … o sentimento do “ olá, tudo bem? Que tens feito? Tive saudades tuas…” esta empacotado num olhar fugaz que escapa (infelizmente) a maioria das pessoas

 

Por agora, ah deixei-me dizer que tenho meditado !!! Sim, é verdade e pode ficar orgulhoso de mim … eheh só de lhe escrever sinto-me bem … ora essa !!!

Vá meu querido amigo, um bom fim-de-semana para si para a sua família para os seus amigos …

Tudo de bom para todos ... Ana