Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

carta a deus!!!

Não aceito!!! É este o ponto de situação nesta minha estranha ligação com deus.


Por favor, oh deus não me digas que é o melhor, nem te atrevas a dizer que em algum plano (do qual não tenho consciência) eu fiz estas escolhas …


Não aceito e não aceito e volto a dizer mil vezes seguidas batendo o pé que não aceito!!! Bem sei que olhas para mim como se estes meus trinta e poucos anos fossem uma piada, e ate podem ser, (na verdade poderão ser uma chalaça comparados por exemplo com a eternidade) mas são meus e são a única coisa que conheço e foi neste tempo de vida que aprendi tudo aquilo que sei e ate descobri esta estranha forma de comunicar contigo através das letras.


Não me venhas com tangas nem com filosofias de esquina, nem tão pouco te atrevas a tratar-me como uma garota oca que vive de imagens e de publicidades de marcas fúteis.


Não sei trocar um pneu (é um facto) não sou uma força da natureza (outro facto) e estou longe de ser a mulher independente que durante muitos anos pensava que viria a ser. Não me destes estes dons, muito pelo contrario, deste a possibilidade de ver o que os outros não vêm, de sentir o mundo em mim, de amar incondicionalmente, de esperar, de acreditar, de sonhar, de ficar quieta, de saber o que vai acontecer muito antes de as coisas acontecerem, de ler o que as palavras não dizem e de sentir o tal efeito borboleta . Se estes foram os nossos planos, se foi isto o que combinamos, se é este o meu plano (tendo em conta que tu e eu somos feitos da mesma matéria) porque razão tantas e tantas vezes eu desejo saber trocar um pneu ou ter uma unha pintada?


Hoje cedo disseram-me que tu e tu somos um!!! Que não existe essa coisa de tu seres algo superior. Eu gosto disso, serio que gosto, também já sabia que vivias dentro de cada individuo, mas sabes isso deixa-me com uma sensação estranha de solidão. Bem, a verdade é que esta descoberta vem a ser a resposta porque nunca te encontrei fora de mim, porque te procurei nas minhas entranhas, porque nunca me satisfizeram as religiões e porque razão o meu lema foi “me myself and i”. Contudo, e mesmo sabendo destas coisas todas hoje não aceito, não aceito e não aceito novamente mil vezes, não aceito quando me dizes que existe coisas que não me estão destinadas, vai-ta lixar. Disseste para amar eu amei, disseste para acreditar eu acreditei, disseste para trabalhar eu trabalhei, disseste para comtemplar eu comtemplei, disseste para esperar eu esperei, disseste “eu estou em ti, confia” e eu confiei …


Se tu és eu, se eu sou tu, escuta-me não me faças isso outra vez ou não me deixes fazer isso a mim própria, ajuda-me a não perder a inspiração e a acreditar que o amor é mesmo o único caminho.


Não gozes comigo e não me deixes gozar eu própria comigo, não me mintas e não me deixes mentir a mim própria, não me enganes e não me deixes eu me enganar, não construas duas realidades e não me deixes viver em duas realidades. Se meu amigo e deixa-me ser eu própria minha amiga.


Se estou chateada contigo, estou pois! Mas também já sabes que de vez tempos a tempos, corto relações contigo. Lembraste da última que te deixei de falar e te mandei com os porcos? Foi na praia a cerca de um ano, a sorte é que tu não me ligas e por seres quem és, Deus, só sabes amar, longe de culpabilizar ou de fazer juízos de valor… (tão comum nos simples mortais)…


Desculpa, mas hoje não aceito. Se te escrever que quero ser terrivelmente feliz sei o que me vais responder, algo do género “ então sê”… por isso não te vou escrever, sei as tuas respostas, porque me deste esse dom de sermos só um e de saber algumas coisas que por exemplo a minha vizinha não sabe!!! (contudo, já vi a minha vizinha a mudar o pneu)…


Gosto de ti Deus, mas hoje não me apetece dize-lo oficialmente o quanto te amo…