Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

short storie I

Penso, seriamente que as mulheres da minha família foram amaldiçoadas…


E sendo eu da penúltima geração, estou sem sombra de dúvida, incluída nessa espécie de seres que vêm a esta vida sem sorte nem norte, atadas a amores eternos convivendo com uma fragilidade feroz que corrói o espirito, a alma e tudo mais em redor.


Atrevo-me a dizer (passado 31 e mais de 1/5 anos) que carrego em mim toda a nostalgia de gerações de mulheres aprisionadas em estranhos esquemas de total insanidade mental.


Tenho gravado no DMA a loucura de uma bisavó, que deambulava pela então aldeia a contar histórias que só as crianças e os velhos como ela sabiam ouvir…


Joana, de seu nome, esta avó abandou a sua família dita de posses e bens, família mui educada lá das as terras de Aveiro, diz quem ainda sabe e consegue re-lembrar que esta avó minha era ainda parenta dos duques lá da terra.


Deixou o palácio, as embarcações da pesca do bacalhau, os fatos de renda e os chapéus franceses porque se apaixonou por um rapaz pobre que não correspondia aos requisitos correntes na corte aveirense…


Também ela estava amaldiçoada (só que não sabia então) …


Viveu a vida toda com uma garrafa de tinto escondido, nunca deixou de contar historias, nem de ler para os pirralhos sempre que chegava a então já vila Sesimbra, a biblioteca da gulbenkian, pois a avó era das poucas pessoas que sabia ler naquelas paragens…


São mulheres como esta avó Joana que não me deixam amar de outra forma.


Amo sem conhecer milite, como se a força do universo nascesse no meu peito…


Amo sabendo que não poderia ser de outra maneira.


Estas mulheres guardaram para mim a força do mundo, guardo a pujança de acreditar que tudo é possível!!!


Não tenho escapatória a esta loucura a que Platão chamou de divina.


A avó morreu a mais anos do que aqueles que me consigo lembrar e que estão no b.i, não sei se foi feliz, teve umas passagens por varios hospitais como o Julio de Matos,mas a jornada de vida desta mulher fazia parte do meu currículo de historias para adormecer na infância…


E agora que a idade adulta chegou cheia de genica, revejo em mim essa Joana sem medos acreditando que tudo é possível, principalmente o que é impossível… Boa noite Avó Joana …