Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

tempo de espera ...

 Cá em casa existe uma flor …

Alias, cá em casa existem muitas flores …

Umas espalhadas ao longo do corredor, outras aos cantos das divisões, outras dispersas pelos compartimentos (que escondem os segredos de quem por aqui habita)…

Todas elas, as flores,  acompanham o ritmo das estações …

 É algo extraordinário observar e fazer parte deste ciclo natural.

Existe uma, todavia, que merece deveras este post …

A Estrudes teve um percurso digno de nota e de estoria, pelo facto de ter sobrevivido sozinha…

Muito antes do Chico gato ter chegado, a Estrudes já fazia parte deste ambiente…

Primeiramente ficou a um canto da sala, depois mudamo-la para junto da janela, depois para a cozinha e assim andou nestas tentativas frustradas de encontrar um lugar ao qual se sentisse bem.

A verdade é a Estrudes morria um pouco todos dias…

Ao fim de algum tempo colocamo-la nas escadas e ai deixamo-la ficar …

 Claro que não era nossa preocupação diária observa-la …

Estava ali, e o corre corre do dia a dia ocupava as descidas e subidas  sem nunca parar-mos para olhar a Estrudes.

Os tempos assim como os meses e tudo o que dai advêm arrastado aconteciam naturalmente.

O sol, as chuvas, os festejos, os sorrisos e as tristezas tudo isto passava como um comboio que apesar de parar em todas as estações previamente estabelecidas continua a sua tranquila viagem sobre os carris tantas vezes já desgastados …

Ontem olhei para a Estrudes !!!

Precisou de tempo esta flor, de estar sozinha, de não ser mimada, de estar consigo mesmo para florir num tom rosa que encanta não só a nos adultos mas igualmente o Chico (que vê nela uma potencial vitima de ataques de gatos que pensam que são leões)

Levou-me então a pensar, será que assim como ela todos nos não temos que ter o nosso tempo? De não sermos mimados? De estarmos sozinhos longe das manias e dos olhares alheios? De saber morrer para então procuram-nos a luz e renascer?

(atenção, este morrer é um morrer hipotético)

O mesmo não se passara com as crianças e a sua educação?

A pouco ouvi alguém dizer na tv  sobre as amendoeiras em flor …

“ É na natureza que vamos encontrar as respostas (…)”

 

"Então o misterio das coisas estremece.

E o desconhecido cresce como uma flor vermelha" Sophia

(neste caso - cor de rosa)

4 comentários

Comentar post