Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

Fabuleux destin d'Ana

Não existe lugar para o acaso ...

As ruas da minha vida ...

 

Esta rua estava escondida no meio do vendável que hoje se abateu sobre a vila …

O mar habitualmente tranquilo e pacífico estava com personalidade de revolucionário cubano nos anos 60 perdido no meio das montanhas …

Nesta rua, a da paz, viveu o meu avô nos últimos anos da vida dele …

Paz !!! Este meu avô dá-me com cada sinal …

É bom ter um espírito que está constantemente connosco, que não se perde no meio das mudanças, que não se deixa abater pelo tempo e pela distancia, que nos une ao melhor de nos mesmos e nos guia quando tudo parece uma infinita noite sem estrelas!!!

Meu muito querido avô …

Contigo aprendi a contar histórias, a ouvir as mesmas histórias vezes sem conta com o mesmo ouvido da primeira vez e principalmente a saber que existe um mistério para além daquilo que se pode ver …

Aprendi a sentir a natureza nos nossos passeios pela serra, aprendi a roubar uvas ao vizinho e a escolher os figos maduros das árvores (também elas dos vizinhos). Tudo o que sei sobre os peixes foste tu que me ensinaste … e hoje quando entrei no mercado do peixe da vila (mercado esse que já não ias reconhecer) senti-me com vinte anos a menos, de uma mão no nariz e a outra agarrada a ti a olhar para os animais expostos nas bancadas como se fossem peças de museu.

É para ti que acendo diariamente uma vela, é para ti que re-aprendi a rezar e é por ti que me esforço por ser melhor pessoa.

6 comentários

Comentar post